Gerenciamento das Responsabilidades e Gerenciamento do Talento. Delargar, delegar para cima e outras estratégias tentam preencher o buraco deixado pela queda das relações hierárquicas. Hoje não vivemos mais em estruturas organizacionais e sim em “desestruturas organizacionais”. É claro, o organograma está lá, a foto está lá, o powerpoint está lá, só não representam mais a realidade. As relações hierárquicas passaram pelo “efeito Berlin” e aquilo que parecia concreto e nos fazia sentir seguros desmoronou como um muro.

Sendo um ser criativo, o ser humano busca maneiras de ocupar o espaço deixado por esse vácuo e de reestabelecer essas estruturas para o seu próprio proveito. Surge daí novos conceitos como: “delegar para cima”, quando você deixa para o seu chefe fazer alguma coisa que era sua, ou resolver um problema que era seu. Essa atitude geralmente é acompanhada de pensamentos como “eu não ganho para isso”. O oposto disso é o “delegar para baixo”, quando o seu chefe deixa para você resolver questões que são da alçada dele, potencialmente envolvendo um dilema ético do qual você não tem saída. Deslizar ocorre quando você aguarda até que o seu colega se ofereça para fazer o que precisa ser feito, porque, afinal, o seu aumento sequer acompanhou a inflação. Finalmente, “deslegar”, mais conhecido como “delargar” ocorre quando ninguém mais se importa com nada. Isso tudo em contraste com o termo original “delegar” que simplesmente significa deixar para alguém que ganha menos que você preencher uma planilha Excel.

O que importa hoje não são tanto as ligações hierárquicas, onde se formula uma regra externa para os relacionamentos e se constõe uma força externa para que as moléculas se formem. Hoje o que funciona são as ligações químicas, as afinidades, aquilo que liga as moléculas e as mantém juntas pelo poder de atração que as moléculas tem entre si.

O poder dessas novas estruturas, que podemos chamar de “estruturas orgânicas” em contraste com as “estruturas organizacionais”, vem da autenticidade de cada um. A autenticidade só ocorre quando você tem a coragem de ser você mesmo, quando você entende que ninguém é melhor do que você, porque apenas você consegue ser você mesmo.

A força que atrairá os outros a você nada mais é do que a sua força interior. É preciso ter a coragem de achá-la.

“Todo mundo tem talento. O que é raro é a coragem de segui-lo até os lugares escuros em que ele irá te levar.” Eric Hoffer

Podemos chamar esse novo processo, que substitui o Gerenciamento das Responsabilidades, de Gerenciamento do Talento. A desvantagem é que só você pode fazer, não dá para delegar, delargar ou deslizar. A vantagem é também… que só você pode fazer. E por que você faria? Você faria para atingir a sua grandeza, essa não é só a sua ambição, é o seu destino e, além disso, o seu dever. É para isso que você veio ao mundo, é para isso que você ganha. Irving Stone disse: “O talento é barato; a dedicação é cara. Ela lhe custará a sua vida.”